SENAI firma primeiras parcerias para implantação do Instituto de Inovação em Sistemas Elétricos


O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) fechou as primeiras parcerias destinadas a implantar o Laboratório de Alta Potência do Instituto SENAI de Inovação em Sistemas Elétricos localizado em Itajubá (MG). Foram firmados contratos com a Companhia Energética de Minas Gerais (CEMIG), a Norte Energia, a Companhia Paulista de Força e Luz (CPFL Paulista) e o Grupo Neoenergia, por meio das empresas Elektro Redes S.A e Potiguar Sul Transmissão de Energia S.A.

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), por meio do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento, autorizou o SENAI a captar até R$ 153 milhões junto a empresas de energia elétrica para implantação do laboratório. “Mais do que demonstrar a credibilidade do projeto, essas adesões são uma reafirmação de sua importância para o setor elétrico. As empresas participantes terão como benefícios o acesso preferencial e diferenciado aos laboratórios do Instituto”, afirma o diretor-geral do SENAI, Rafael Lucchesi. 

Além disso, as empresas participantes receberão ao longo dos primeiros 16 anos de operação do centro de P&D do SENAI o retorno de 50% do investimento realizado. A medida vai beneficiar o consumidor de energia com o mecanismo da “modicidade tarifária” previsto nos procedimentos da Aneel. 

Com investimento total de R$ 425 milhões, o complexo do Instituto SENAI de Inovação em Sistemas Elétricos será pioneiro na região em pesquisa e desenvolvimento de novos equipamentos e sistemas do setor, comparáveis a outras tecnologias de ponta no mundo. O centro ocupará uma área total de 217 mil metros quadrados e 80 mil metros de área útil, na qual serão instalados, inicialmente, quatro laboratórios para atender à demanda da indústria nas áreas de alta tensão, alta potência, elevação de temperatura e ensaios mecânicos. 

ALTA POTÊNCIA – O Laboratório de Alta Potência terá um gerador de curto circuito especificamente construído para tornar os ensaios de alta potência independentes da rede elétrica da concessionária. O laboratório irá realizar ensaios que hoje são executados em poucas estruturas no mundo devido à complexidade para a produção e manuseio seguro das elevadas potências envolvidas. As condições de alta potência são, em geral, associadas a situações extremas de curto-circuito ou de manobra de correntes elevadas.

Poucos países contam com infraestrutura similar para P&D e realização de testes integrada ao setor industrial. Com o complexo, cuja previsão é estar concluído até 2021, o Brasil irá integrar grupo restrito que conta com os Estados Unidos, Canadá, Japão, assim como países da Europa Ocidental.

A implantação do Instituto em Sistemas Elétricos tem o apoio da Aneel, do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), da Fundação de Amparo à Pesquisa no Estado de Minas Gerais (Fapemig),  da Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais (Codemge) e da Confederação Nacional da Indústria (CNI).

As obras do complexo em Itajubá foram iniciadas em janeiro de 2015 e a etapa inicial da obra já foi executada, com terraplenagem e asfaltamento da área. O projeto encontra-se agora na fase da construção da subestação de 138kV e em seguida se inicia a construção da estrutura predial.

Fonte: CNI



Link de Origem

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *